Hóspede vivencia vastidão de natureza + biodiversidade + conforto + serviço refinado

O Refúgio Ecológico Caiman é sinônimo de experiência bem-sucedida no Pantanal. Em todos os sentidos. Mais do que uma grande aventura, uma viagem pelo Pantanal é um estado de espírito que o hóspede sente assim que entra na propriedade. Percorrer a região que foi classificada como a mais extensa área úmida do planeta é uma viagem que pode ser feita com muito conforto e infraestrutura. Um ícone pantaneiro, o Refúgio Ecológico Caiman oferece ao hóspede uma combinação de estilo e autenticidade regional.

Pantanal
O pôr-do-sol no Pantanal (Foto: Divulgação)

O que é o Pantanal

Para você ter uma ideia da dimensão e riqueza natural do Pantanal, basta ir ao mapa-múndi. A região = Bélgica + Hungria + Áustria + Portugal, juntos. Localizado no coração do Brasil, o Pantanal Mato-Grossense, com seus 200.000 km² faz divisa, ao norte, com a escarpa do Planalto Central; ao sul e leste com a serra de Maracaju; e a oeste com o rio Paraguai.

O Pantanal é a maior planície alagável do mundo. É o habitat natural de aproximadamente 80 espécies de mamíferos + 50 de répteis + 240 de peixes + 650 espécies de aves. Além da fauna exuberante, a flora tem uma fascinante biodiversidade. O viajante que se dispõe a atravessar a pé, cavalo ou em veículo especial um bom pedaço de terra poderá observar claramente a diferença de vegetação que vai se intercalando ao longo do percurso. Num certo trecho é o cerrado que cede lugar à savana, que se transforma em campos abertos quando, de repente, bolsões de mata fechada e densa surgem para quebrar a monotonia da paisagem. Rios, lagoas e baías, ligados por corixas (canais), expandem ou vazam. Nesse fluxo praias são criadas, se alargam ou estreitam de acordo com a chuva, outra personagem importante do Pantanal. Visitar a região é como entrar em um Universo Paralelo, regido pela natureza.

Pantanal Refúgio Ecológico Caiman
Complexo Sede do Refúgio Ecológico Caiman (Foto: Refúgio Ecológico Caiman/Divulgação)

O Refúgio Ecológico Caiman conta uma história de transformação

Distante 236 km de Campo Grande, o Refúgio Ecológico Caiman está localizado no município de Miranda. Inaugurado em 1987 a pousada é um exemplo de empreendimento ecológico e autossustentável. A história do local começou a ser escrita há pouco mais de 100 anos, quando a propriedade ainda era um grande latifúndio pertencente aos britânicos e se chamava Miranda Estância. No início do século 20 a propriedade foi vendida para a família Klabin e, após a divisão da propriedade entre os herdeiros, surgiu a Estância Caiman. Com 53.000 hectares, a fazenda conseguiu conciliar de forma harmoniosa o trabalho com o ecoturismo, a pecuária extensiva de corte e a preservação do meio ambiente, abrigando um centro de reprodução ligado ao Projeto Arara-Azul que, desde 1990 procura preservar a espécie, ameaçada de extinção.

Pantanal Refúgio Ecológico Caiman
Detalhe da fachada + piscina da Pousada Baiazinha (Refúgio Ecológico Caiman/Divulgação)

Refúgio Ecológico Caiman é uma ilha de Conforto dividida em 3 pousadas

 O Refúgio Caiman se divide em 3 pousadas. A 1ª foi inaugurada onde funcionava a antiga sede da Miranda Estância. Cheia de estilo, o Complexo Sede possui 15 quartos com TV + ar condicionado + Wi-Fi + sala de jogos + ducha aquecida + piscina.

Como o seu nome diz, a Pousada Baiazinha fica em frente a bela baía da fazenda, a uma distância de 9 km do Complexo Sede. Suspensa sobre grossos pilares de aroeira, tem 6 quartos. É um dos melhores lugares para se apreciar o pôr-do-sol pantaneiro.

Por estar mais afastada de todas as outras, a Pousada Cordilheira é ideal para quem deseja, de qualquer ponto, observar a rotina dos animais selvagens. Sofisticada e aconchegante, possui 5 suítes triplas.

O Projeto Arara Azul

Com 53.000 hectares, o Refúgio Ecológico Caiman conseguiu conciliar de forma harmoniosa o trabalho com o ecoturismo, a pecuária extensiva de corte e a preservação do meio ambiente, abrigando um centro de reprodução ligado ao Projeto Arara-Azul que desde o final da década de 1990 procura preservar a espécie, ameaçada de extinção. Coordenado pela bióloga Neiva Guedes, pesquisadora da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Estado e Região do Pantanal), existem atualmente na Caiman cerca de uma centena de ninhos cadastrados pelo projeto. Pelas 5 sub-regiões do Pantanal = Nhecolândia + Miranda + Abobral + Aquidauana + Nabileque, há centenas de ninhos com casais e filhotes.

Pantanal Refúgio Ecológico Caiman
Vista aérea da Pousada Baiazinha (Refúgio Ecológico Caiman/Divulgação)

Um Pantanal para cada temporada

Monotonia é uma palavra que não existe no Pantanal. Além da riqueza natural, o visitante irá encontrar uma paisagem radicalmente diferente em cada época do ano.

Cheia = outubro a março

Nessa época as águas atingem o seu pico máximo. Com a maior parte do solo totalmente inundada os animais migram para as regiões mais altas, em busca de abrigo. O espetáculo é dos mais belos, com a terra se convertendo num gigantesco espelho d’água. Um oceano de água doce tomado por aguapés e plantas aquáticas, com ilhas de mata fechada ou cerrado que, protegidos pela altura, guardam a vida animal.

O período da cheia é ideal para a observação de pássaros. Nessa época, as aves passam a movimentar-se incessantemente, caçando nas margens ou fazendo mergulhos espetaculares nos rios. Os melhores pontos de observação são justamente os locais de alimentação, próximo aos rios e lagos. Os locais de recolhimento – os ninhais – são também ótimos pois ali todas as espécies se reúnem = tuiuiús + tucanos + araras + garças + biguás + etc.

Momento inesquecível = assistir uma revoada de pássaros ao pôr-do-sol.

Jacare Pantanal Free Divulgacao
(Foto: Divulgação)

Vazante = abril e maio

É o fim do ciclo das águas, seguidos pelos primeiros indícios da vazante que irá começar. Nos meses seguintes, o nível das águas começa progressivamente a baixar. Junho e julho são ideais para uma visita ao Pantanal, justamente pelo equilíbrio das paisagens secas e molhadas. É alta temporada para o turismo na região.

Momento inesquecível = ouvir o cantos dos macacos bugios.

Estação da Seca = junho a setembro

Agora a paisagem muda radicalmente e com ela as atrações. É a época ideal para observar os animais como jacarés + tamanduás-bandeira + veados campeiros + cervos do pantanal + capivaras + lobinhos + sucuris + onças pintadas.

Momento inesquecível = flagrar uma onça pintada, num cenário cheio de ipês floridos.

Um safári no Pantanal

Para quem nunca experimentou a emoção de um safári, aí vai a 1ª dica do dia. No Pantanal você precisa andar o tempo todo, com sua máquina fotográfica. Esteja preparado para clicar uma quantidade de animais que nada fica a dever para as melhores versões dos safáris africanos. Só mudam as espécies, mas a exuberância é a mesma. Um safári pelo Pantanal é a oportunidade de ver de perto tucanos de todos os tipos; araras azuis fazendo acrobacias no ar; pacas e cutias tranquilas; veados mateiros brincando em um capão; um grupo de ariranhas mergulhando no rio; quatis em cima de uma árvore; os macacos, os famosos bugios, pulando entre os galhos de um Ipê roxo e até uma oncinha jaguatirica correndo lá longe na planície. Cena de filme? Nada disso. Reality show de primeira.

Pantanal Refúgio Ecológico Caiman
Detalhe de um dos lounges da Pousada Cordilheira (Refúgio Ecológico Caiman/Divulgação)

Pantanal e o Melhor de Cada Estação

Bagagem Pantaneira + Itens indispensáveis para curtir o melhor do Pantanal

Máquina fotográfica

Binóculos

Chapéu

Protetor solar

Repelente de insetos

Camiseta de manga comprida e calça comprida (para os passeios)

Bermuda

Camiseta

Botas de caminhada ou tênis resistente

Casaco leve (mesmo no verão a temperatura pode mudar)

Casaco pesado (o inverno costuma ser bem frio no pantanal)

Seguro de viagem

Kit com medicamentos básicos usado pelo viajante

Como manda o figurino

Para cada passeio, o traje adequado

Safári Fotográfico

Calça comprida

Sapatos fechados ou botas de caminhadas + meias

Repelente de insetos

Protetor solar

Chapéu

Binóculo

Focagem noturna

Camiseta

Calça comprida

Botas fechadas e meia

Repelente de insetos

Passeio a cavalo

Calça comprida

Sapatos fechados ou botas para caminhadas + Meias

Repelente de insetos

Protetor solar

Chapéu

Máquina fotográfica pequena

Evitar levar mochila ou bolsa

Passeio de canoa

Roupas leves

Sandálias

Binóculos e Máquina fotográfica protegidos em sacos plásticos ou mochilas

Caminhadas

Calça comprida

Botas para caminhadas e meia

Repelente de insetos

Protetor solar

Chapéu

Máquina fotográfica

Binóculo

Passeio de bicicleta

Roupas leves e confortáveis para pedalada

Tênis ou bota para caminhada

Mochila

 

 

Já viveu essa experiência? Deixe seu comentário.

*

code

  • Av. Brasil, 741 - Sta. Efigênia
  • 31 3646-1249

Copyright© Tripness Curadoria de Viagens - 2019. Todos os direitos reservados.

Fechar Menu
WhatsApp WhatsApp